Recorda desde a divina matriz o real propósito a que vens AQUI e pelo qual AGORA te manifestas!

Enquanto um diz: Namastê, te saúdo e te reconheço como a sagrada divindade. Em outro lugar, o outro pulsa: In lake´sh, eu sou o outro em você a serviço planetário da compreensão, da aceitação, da cura, da libertação e da realização.

Aquele que tudo vê, nos inspira e responde: "Com visão e esperança danço e canto para o coração divino." Acredito que assim nasce o puro, verdadeiro e divino AMOR, nossa responsabilidade básica.

Aqui e agora é tudo que existe de ETERNO. Respiro e sinto o que simplesmente É e dentro dessa Eternidade, a lembrança IMORTAL: SOMOS UM na Divina Presença.

Seja uno com cada ser-elemento manifesto e a gratidão lhe conecta na fonte de amor e alegria infinita, paz e compaixão infinita, paciência e tolerância infinita.

No espelho do ser, o reflexo D´eus. A união do Todo se traduz num som... OM... AMEM... silêncio!

OM TAT SAT OM...

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Oração de Natal dos adormecidos


Senhor, pelo profundo amor que tens por nós e pelo escasso amor que temos por Ti, Tende misericórdia de nós neste Natal.

Porque cegos e sedados olhamos em volta e não te vemos nas flores nem nas nuvens, não te sentimos no vento nem no calor dos raios do Sol e por isso duvidamos da tua soberania, deturpando o sentido desta época maravilhosa.

Porque arrogantemente invertemos nossa posição, exigindo que Tu nos sirva concedendo os desejos para nossa satisfação egoísta e nos negamos servir a Ti, que és o supremo dono de tudo que existe.

Porque pensamos celebrar a grandeza da chegada do melhor dos Teus filhos, Jesus, enviado pelo Teu profundo amor, mas que justo nesta data é esquecido enquanto nos tornamos animalescos diante de Tua pessoa santa, pela intoxicação abundante de vinho.
Porque imaginamos desejar paz e prosperidade mas que, porém, nos reunimos em torno de mesa farta de sofrimento de animais, nossos irmãos, Tua criação, sacrificada violentamente para a satisfação de nosso paladar grosseiro.

Porque cometemos suicídio pelo total descontrole de nossos sentidos, nos enfartando de gorduras, açucares e substancias químicas, nos esquecendo por completo de que este corpo não é nosso, mas sim um instrumento magnífico concedido por Ti, para que possamos retornar a Tua morada .

Porque não temos paciência para cultivar os Teus ensinamentos que são o verdadeiro e eterno tesouro, mas que, iludidos, imaginamos ser opulentos trocando objetos inúteis em brilhantes embrulhos, sem lembrar que estes sim passarão nos deixando mais uma vez perdidos e em solidão.

Porque desperdiçamos vastamente o precioso tempo de nossa existência em reluzentes templos de consumo mas não nos ajoelhamos perante Ti, em Tuas igrejas.

Porque devastamos nossa morada de amor, consumindo e desperdiçando vorazmente os recursos naturais do planeta, e enriquecemos os ricos, e empobrecemos os pobres.

Porque não nos lembramos dos nosso irmãos esquecidos nas ruas, asilos, orfanatos e hospitais.

Porque fazemos tudo isso por medo da solidão, para não sermos esquecidos pelos que julgamos nos amar, mas que ainda assim, com tudo isso, Tu é quem nunca nos abandonará.

Por tudo isso Senhor, tende misericórdia de nós neste Natal.

* * *

Nenhum comentário:

Postar um comentário