Recorda desde a divina matriz o real propósito a que vens AQUI e pelo qual AGORA te manifestas!

Enquanto um diz: Namastê, te saúdo e te reconheço como a sagrada divindade. Em outro lugar, o outro pulsa: In lake´sh, eu sou o outro em você a serviço planetário da compreensão, da aceitação, da cura, da libertação e da realização.

Aquele que tudo vê, nos inspira e responde: "Com visão e esperança danço e canto para o coração divino." Acredito que assim nasce o puro, verdadeiro e divino AMOR, nossa responsabilidade básica.

Aqui e agora é tudo que existe de ETERNO. Respiro e sinto o que simplesmente É e dentro dessa Eternidade, a lembrança IMORTAL: SOMOS UM na Divina Presença.

Seja uno com cada ser-elemento manifesto e a gratidão lhe conecta na fonte de amor e alegria infinita, paz e compaixão infinita, paciência e tolerância infinita.

No espelho do ser, o reflexo D´eus. A união do Todo se traduz num som... OM... AMEM... silêncio!

OM TAT SAT OM...

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Poema de Natal (Vinicius de Moraes)

Para isso fomos feitos:

Para lembrar e ser lembrados
Para chorar e fazer chorar
Para entender os nossos mortos

- Por isso temos bracos longos para os adeuses
Maos para colher o que foi dado
Dedos para cavar a terra.

Assim será a nossa vida:
Uma tarde sempre a esquecer
Uma estrela a se apagar na treva
Um caminho entre dois tumulos

–Por isso precisamos velar
Falar baixo, pisar leve,
Ver a noite dormir em silencio.

Nao ha muito o que dizer:
Uma cancao, sobre um berço
Um verso, talvez de amor
Uma prece por quem se vai

–Mas que essa hora nao esqueca
E por ela os nossos corações
Se deixem, graves e simples.

Pois para isso fomos feitos:
Para a esperanca no milagre
Para a participação da poesia
Para ver a face da morte

–De repente nunca mais esperaremos…

Hoje a noite é jovem; da morte, apenas

Nascemos, imensamente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário